A saga da família Miolo

A saga da família Miolo

A família Miolo, de Bento Gonçalves, começou vendendo uvas a terceiros, passou a engarrafar os próprios vinhos e, ao longo das últimas décadas, construiu uma empresa sólida, com cinco grandes projetos vitivinícolas e presença marcante em quatro diferentes regiões brasileiras. Com 1.150 hectares de vinhedos, o grupo Miolo produz hoje 12 milhões de garrafas por ano, o que o coloca na liderança do mercado nacional de vinhos finos.

É integrado pelas vinícolas Miolo, no Vale dos Vinhedos; Seival Estate e Almadén, na Campanha, fronteira com o Uruguai; RAR, em Campos de Cima da Serra, no nordeste gaúcho, em associação com o empresário Raul Anselmo Randon; e Ouro Verde, no vale do Rio São Francisco. Ainda no Rio Grande do Sul, participa da Lovara Vinhas e Vinhos e da Bueno Wines, vinícola do conhecido narrador Galvão Bueno. O grupo Miolo tem também parcerias na Argentina, Chile, Espanha e Itália.

As conquistas exigiram trabalho e dedicação. Tempos atrás, Darcy Miolo, que fundou a vinícola junto com os irmãos e os filhos, contou como foram os primeiros momentos: “O começo foi muito difícil. Mas a gente tinha certeza que produzindo uva de qualidade seria possível fazer um bom vinho e crescer”. O início de tudo, realmente, foram uvas de qualidade. Darcy e seus irmãos Antônio e Paulo são netos de Giuseppe Miolo, italiano do Veneto, que em 1897 imigrou para o Brasil e se instalou na Serra Gaúcha – no Lote 43 da Linha Leopoldina, hoje coração do Vale dos Vinhedos. Sob a liderança de Darcy, o mais velho, a família era conhecida na região por fornecer boa matéria-prima a grandes empresas, especialmente à Dreher. Ainda eram uvas americanas, não viníferas.

Na década de 1970, a então Martini & Rossi, hoje parte do grupo Baccardi Martini, decidiu produzir vinhos finos em nosso país, a linha Château Duvalier, e estimulou os melhores agricultores locais a trocarem as castas híbridas por viníferas. Darcy logo se destacou no grupo: “Primeiro nós plantamos Cabernet Franc, Sémillon e Merlot. Depois, vieram a Riesling, Chardonnay e Cabernet Sauvignon”.

No final da década de 1980, a crise econômica afetou especialmente o setor vinícola e por dois anos seguidos as grandes empresas deixaram de comprar a produção combinada com os agricultores. Darcy Miolo ficou em um grande dilema: “Na época, fora da Martini e de uma ou outra multinacional, a gente não tinha para quem vender aquele tipo de uva fina. Sem outra saída, e mesmo sem experiência, decidimos fazer o nosso próprio vinho”. Ele reuniu as economias da família e entrou no ramo com os irmãos e os cinco filhos.

O filho mais velho, Adriano, estudava enologia em Mendoza, na Argentina, e montou uma empresa de consultoria, ajudado pelo irmão Fábio, então com 18 anos. Darcy tinha apenas alguns tonéis antigos e uma pequena prensa de madeira e começou a fazer vinho para vender a granel. O negócio não ia para frente. “Percebemos que era preciso agregar valor ao nosso produto”, diz ele. Assim a família Miolo resolveu engarrafar os vinhos com seu nome. Adriano vinha para casa nas férias escolares, exatamente no período da vindima na Serra Gaúcha. Ele vinificou o primeiro Miolo, um Merlot, com as uvas da excepcional safra de 1991. Foram apenas 8 mil garrafas, entregues ao mercado em 1994, mas começava aí uma nova etapa na história na empresa. Darcy não esqueceu: “Logo apareceu uma pessoa e comprou metade da nossa produção. Ficamos muito contentes. O duro foi receber o dinheiro depois”.

Também na década de 1990Miolo barricas houve uma decisão radical: a família eliminou todos os antigos vinhedos plantados em latada, espécie de caramanchão, substituindo pelo moderno sistema de espaldeira, condução vertical. Acreditando no bom nível de seus tintos e brancos, Darcy começou a participar de feiras, de degustações, de eventos. Aos poucos, a Miolo chamou a atenção da imprensa especializada e dos consumidores mais exigentes. Alguns anos depois a casa já estava produzindo 350 mil garrafas de vinho por ano e crescendo cada vez mais. Em 1998, deu mais um salto, investindo na compra de terras, na melhoria dos vinhedos e em ambicioso projeto que se completou com a construção da moderna cantina no Vale dos Vinhedos.

Darcy passou depois o comando dos negócios para os filhos. Por quase dez anos, até 2013, o grupo teve a consultoria do célebre enólogo francês Michel Rolland. A parceria foi importante. Rolland defendeu novos manejos no campo, com podas para baixar os rendimentos ou para aumentar a exposição dos cachos ao calor do sol. Ele também ajudou a equipe a conhecer os diferentes terroirs e as uvas que se dão melhor em cada um deles. Nesse período, a empresa investiu mais de R$ 120 milhões na melhoria de seus vinhedos e vinhos, na expansão da produção, em tecnologia de ponta, instalações e equipamentos de última geração. Por tudo isso, dá para entender por que, em menos de 30 anos, a Miolo se tornou uma referência de vinho de qualidade no Brasil.

 


Tags assigned to this article:
BrasilMioloSerra GaúchaVale dos Vinhedos

Related Articles

Paul Hobbs, a arte do equilíbrio

Nos últimos anos, Paul Hobbs se transformou em um bem sucedido winemaker internacional, dividindo o tempo entre suas próprias empresas,

Safra de 2017 no Sul foi normal, com qualidade média

A colheita da uva terminou no Sul do Brasil e a expectativa de uma safra de qualidade especial não se

Os bons vinhos de Alejandro Bulgheroni na Itália

Depois de ganhar fama internacional com sua grandiosa Bodega Garzón, perto de Punta del Leste, no Uruguai, o bilionário argentino

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*