Importadora Decanter apresenta safras novas de seus vinhos do Novo Mundo

Importadora Decanter apresenta safras novas de seus vinhos do Novo Mundo

No Wine Day, 122 rótulos em prova

A importadora Decanter, de Adolar e Edson Hermann, realizou na semana passada em São Paulo o segundo Wine Day deste ano, para mostrar os vinhos novos de seu catálogo ou safras recentes incluídas no portfólio. Em maio foram apresentadas as novidades do Velho Mundo. Agora, a prova girou especificamente em torno de rótulos do Novo Mundo. E há muita coisa para degustar.

No total, foram oferecidos 122 tintos, brancos, rosés e espumantes de 22 vinícolas do Brasil, África do Sul, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos, Chile, Argentina e Uruguai. A Decanter, com sede em Blumenau, SC, e representação em todo o país, sempre tem coisas interessantes para oferecer e está atenta ao que de melhor acontece no mercado. Avaliamos aqui cinco vinhos provados na bela loja paulistana da importadora, a Enoteca Decanter, situada na R. Joaquim Floriano, 838, Itaim-Bibi.

 

De Martino Single Vinyard Tres Volcanes Chardonnay 2017

De Martino – Malleco – Chile – Decanter – R$ 275,40 – Nota 92

A vinícola da família De Martino oferece um Chardonnay admirável com uvas plantadas no norte do Chile, em Quebrada Seca, vale de Limari. Nos últimos anos, porém, um fenômeno, antecipado até pelo nome, aconteceu: o vinhedo secou. Buscando outras regiões para suportar um branco de nível superior, Pietro De Martino encontrou excelentes condições em Traiguén, no vale do Malleco, do outro lado do país, no extremo sul, 650 km abaixo de Santiago. Região fria, de invernos chuvosos e verões secos. O clima temperado favorece a Chardonnay, pois ali as uvas amadurecem lentamente, conservando acidez e aromas finos essenciais a um grande branco. O Tres Volcanes mostra tudo isso, com a mão experiente do enólogo Marcelo Retamal. Amadurece por 12 meses em foudres usados de carvalho. Mescla nos aromas cítricos e frutas tropicais, como abacaxi, além de especiarias doces e muita mineralidade. Na boca é seco, amplo, com acidez vibrante. Apresenta volume e untuosidade, com um final delicioso. O nome é inspirado pela presença dos três vulcões que marcam a paisagem desta região chilena, Tolhuaca, Longuinay e Sierra Nevada (13,5%).

 

Bouza Albariño 2017

Bodega Bouza – Canelones – Uruguai – Decanter – R$ 193,30 – Nota 91

A família Bouza tem uma das mais bonitas vinícolas do Uruguai, onde se destacam o respeito ao meio ambiente e o serviço de acolhimento aos visitantes. O mais importante, claro, é a qualidade e a consistência de seus vinhos. A produção não é grande. Com 32 hectares de vinhedos, localizados em Las Violetas (Canelones), Melilla (Montevidéu), Pan de Azúcar e Las Espinas, junto ao mar, a casa oferece cerca de 170 mil garrafas por safra. Os tintos predominam, com excelentes rótulos a partir da emblemática Tannat. Ainda assim, há espaço para brancos notáveis, como este Albariño. A família Bouza vem da Galícia, na Espanha, onde a casta é bastante conhecida. De qualquer forma, a Albariño deu-se muito bem no Uruguai. Aqui, o enólogo Eduardo Boido fermentou parte do lote (10%) em carvalho, para reforçar estrutura e complexidade. Potente, amplo, preserva a boa fruta. Cítrico, em meio a notas florais, é seco, tem ótima acidez e volume de boca. Cresce com comida. Em suma, um branco bem feito e muito agradável (14,5%).

 

Villard Pinot Noir Reserve Expresión 2016

Villard – Vale de Casablanca – Chile – Decanter – R$ 139,60 – Nota 90

O talentoso enólogo Jean-Charles Villard comanda hoje a vinícola iniciada em 1989 por seu pai, o francês Tierry Villard, um dos primeiros a se instalar no vale de Casablanca. A proximidade com o Oceano Pacífico, de águas frias, influencia o clima da região, perfeito para o desenvolvimento de variedades como Sauvignon Blanc, Chardonnay e Pinot Noir. São as castas que desde o início fizeram a fama da Villard (a que se somou um Syrah de clima frio). O Pinot, jovial, limpo e fresco, é agradável e fácil de beber. Nos aromas há notas de morango e pitanga. O corpo médio é balanceado pela boa estrutura, taninos finos e, especialmente, pela ótima acidez (14,5%).

 

Quinta da Neve Pinot Noir 2014

Quinta da Neve – São Joaquim, SC – Brasil – Decanter – R$ 126,50

Fundada em 1999 por quatro amigos enófilos, a Quinta da Neve se diz a primeira empresa a apostar na produção de vinhos finos de altitude em São Joaquim, serra de Santa Catarina. Eles compraram 87 hectares da antiga Fazenda Bentinho, no distrito de Lomba Seca, e em 2000 começaram o plantio de mudas viníferas importadas da Itália e de Portugal. Os sócios na época eram Acari Amorim, Robson Abbdala, Nelson Essemburg e Francisco Brito. Mais tarde, estes dois últimos venderam suas quotas para a família Hermann, de Adolar Hermann, catarinense dono da importadora Decanter. A vinícola tem hoje 25 ha. de vinhedos, cultivados com Cabernet Sauvignon, Pinot Noir, Merlot, Sangiovese, Montepulciano, Touriga Nacional, Sauvignon Blanc e Chardonnay, além de uma área de experimentação com 16 variedades diferentes. Desde o início, Pinot Noir e Sauvigon Blanc, uvas de clima frio, se destacaram, confirmando o potencial da região serrana para a produção de vinhos finos. No caso, o Pinot Noir, amadurecido por 6 meses em barricas usadas, é delicado na cor, mostra gostosa fruta vermelha, lembrando pitanga e cereja. Em corpo médio, tem boa acidez, é mais aberto e macio, prontinho para beber (12%).

 

Riglos Gran Malbec 2014

Bodega Riglos – Mendoza – Argentina – Decanter – R$ 211,50 – Nota 92

Depois que sua família vendeu para a gigante portuguesa Sogrape sua vinícola Finca Flichman, em 1998, o mega empresário Dario Werthein queria se manter no mundo do vinho, mas com um empreendimento pequeno, focado apenas em rótulos de alto nível. Junto com o amigo Fabián Suffern, criou em 2002 a bodega Riglos, no vilarejo de mesmo nome, onde os antepassados de ambos haviam aportado, quando chegaram à Argentina. O local é um dos mais promissores da nova vitivinicultura do país, em Gualtallary, no vale de Uco, onde fica sua magnífica Finca Las Divas, com 72 hectares, entre 1.250 e 1.350 metros acima do nível do mar. Ali a equipe do enólogo Pulqui Villa, com a consultoria do renomado wine maker americano Paul Hobbs, tem produzido vinhos de grande qualidade, como este espetacular Gran Malbec. Nariz rico, em que aparecem ameixa, cereja, cassis e notas florais. Tem bom corpo, é amplo, volumoso e muito equilibrado. Um tinto elegante e refinado (14,5%).

 

Importadora Decanter

Importadora Decanter – E-commerce: (47) 3038-8875 – Em São Paulo: (11) 3760-0000 – www.decanter.com.br.

 

 

 


Tags assigned to this article:
Decanter ImportadoraNovo Mundo

Related Articles

Meandro Branco, novidade da Quinta do Vale Meão

Muita gente sempre disse que a Região do Douro não é terra para vinhos brancos. O clima quente e o

Vinhos do Uruguai mostram evolução

As vinícolas do Uruguai investem em tecnologias modernas e no melhoramento dos vinhedos, hoje integralmente monitorados por georreferenciamento. Uma nova

Lançamentos da Mistral trazem bons vinhos em várias faixas de preço

Jumilla e Montsant, na Espanha; Vêneto e Toscana, na Itália; Douro, Alentejo e Ilha da Madeira, em Portugal; Borgonha e

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*