A volta da Forestier

A volta da Forestier

Os mais velhos, ou mais experientes, certamente se lembram dos vinhos da Maison Forestier, que fizeram sucesso no Brasil nas décadas de 1980 e 90. Eram tintos e brancos produzidos em Garibaldi, na Serra Gaúcha, pela casa de origem francesa, administrada inicialmente pela multinacional Seagram’s e, depois, pela gigante Pernod-Ricard. Com um eficiente trabalho de marketing, a vinícola estava entre as mais conhecidas do consumidor nacional. Depois a empresa perdeu o interesse pelo mercado vinícola e deixou de oferecer seus conhecidos rótulos, dedicando-se apenas a licores e destilados. Mas a Forestier está de volta, sob nova administração. Em 1998, os vinhedos e instalações da Pernod-Ricard em Garibaldi foram comprados pela família Estefenon, dona da Tecnovin-Suvalan, fabricante de suco integral de uva e de outras frutas, e da Wine Park, produtora dos espumantes e vinhos tranquilos Gran Legado. E em 2015, o grupo adquiriu também os direitos sobre a marca Forestier. O espumante Forestier Nature, lançado na última Expovinis, foi uma grata surpresa.

Produzido pelo enólogo Christian Bernardi com Chardonnay e Pinot Noir pelo método clássico, em que a segunda fermentação acontece na garrafa, permanece por 24 meses em contato com as borras. Como o rótulo indica, é um Nature, sem adição de açúcar depois da eliminação dos resíduos sólidos. Nos aromas há cítricos e nuances de pão. Cremoso, seco, tem estrutura média. É versátil, bom para comida (R$ 80 – Nota 89). Pelo estilo, é um pouco diferente do outro espumante premium da casa, o Gran Legado Brut Champenoise, que como mencionado no nome, também é elaborado pelo processo tradicional. Parte igualmente de Chardonnay e Pinot Noir, mas é menos seco, mais fácil de beber, leva 8 gramas de açúcar por litro (R$ 60 – Nota 89). O Gran Legado Brut Champenoise foi o vencedor do Top Ten da Expovinis 2016, na categoria Espumantes brasileiros – aliás, ganhou o prêmio pela terceira vez, já que foi considerado o melhor igualmente em 2010 e 2014. Em breve, a Gran Legado deve apresentar outros vinhos com o nome Maison Forestier.

 

 

 



Related Articles

Paulo Laureano desenha Gáudio

  Com seu bigode exuberante, sorriso e simpatia, Paulo Laureano é sem dúvida um dos enólogos mais competentes em atuação

Spielmann, da Argentina, vinhos novos de vinhas velhas

Com as uvas colhidas nos 27,5 hectares de vinhas antigas que possui na Calle Cobos, zona de Perdriel, Luján de

Pró-Vinho reúne o setor e traz ações para estimular a cultura e o consumo de vinho no Brasil

Há décadas se diz que o consumo de vinhos no Brasil não passa de 2 litros anuais por pessoa, índice

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*