A volta da Forestier

A volta da Forestier

Os mais velhos, ou mais experientes, certamente se lembram dos vinhos da Maison Forestier, que fizeram sucesso no Brasil nas décadas de 1980 e 90. Eram tintos e brancos produzidos em Garibaldi, na Serra Gaúcha, pela casa de origem francesa, administrada inicialmente pela multinacional Seagram’s e, depois, pela gigante Pernod-Ricard. Com um eficiente trabalho de marketing, a vinícola estava entre as mais conhecidas do consumidor nacional. Depois a empresa perdeu o interesse pelo mercado vinícola e deixou de oferecer seus conhecidos rótulos, dedicando-se apenas a licores e destilados. Mas a Forestier está de volta, sob nova administração. Em 1998, os vinhedos e instalações da Pernod-Ricard em Garibaldi foram comprados pela família Estefenon, dona da Tecnovin-Suvalan, fabricante de suco integral de uva e de outras frutas, e da Wine Park, produtora dos espumantes e vinhos tranquilos Gran Legado. E em 2015, o grupo adquiriu também os direitos sobre a marca Forestier. O espumante Forestier Nature, lançado na última Expovinis, foi uma grata surpresa.

Produzido pelo enólogo Christian Bernardi com Chardonnay e Pinot Noir pelo método clássico, em que a segunda fermentação acontece na garrafa, permanece por 24 meses em contato com as borras. Como o rótulo indica, é um Nature, sem adição de açúcar depois da eliminação dos resíduos sólidos. Nos aromas há cítricos e nuances de pão. Cremoso, seco, tem estrutura média. É versátil, bom para comida (R$ 80 – Nota 89). Pelo estilo, é um pouco diferente do outro espumante premium da casa, o Gran Legado Brut Champenoise, que como mencionado no nome, também é elaborado pelo processo tradicional. Parte igualmente de Chardonnay e Pinot Noir, mas é menos seco, mais fácil de beber, leva 8 gramas de açúcar por litro (R$ 60 – Nota 89). O Gran Legado Brut Champenoise foi o vencedor do Top Ten da Expovinis 2016, na categoria Espumantes brasileiros – aliás, ganhou o prêmio pela terceira vez, já que foi considerado o melhor igualmente em 2010 e 2014. Em breve, a Gran Legado deve apresentar outros vinhos com o nome Maison Forestier.

 

 

 



Related Articles

Safra 2018 já é considerada a melhor dos últimos anos no Brasil

“A safra 2018 para a Miolo ficará na história”, diz o enólogo Adriano Miolo. “Esta safra está se tornando espetacular,

No Chile e Argentina safra 2017 foi difícil, mas com bons vinhos

Terminou a colheita de uvas este ano no Chile e na Argentina. Ao fazer um balanço da safra, produtores e

Encontro Mistral 2019 mostra ícones que são o diferencial da importadora

A importadora Mistral, de Ciro Lilla, realizou esta semana em São Paulo e no Rio de Janeiro seu grandioso Encontro

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*