A família Symington, do Douro, mostra os vinhos expressivos de seu novo projeto no Alentejo

A família Symington, do Douro, mostra os vinhos expressivos de seu novo projeto no Alentejo

Os vinhos alentejanos da família Symington

Pela primeira vez em 135 anos a família Symington, um dos maiores fornecedores mundiais de vinho do Porto premium, passou a produzir vinhos fora do Douro, no Norte de Portugal. O grupo agora oferece também tintos e brancos muito expressivos, elaborados em sua nova propriedade no Alentejo, no Sul do país. A Quinta da Fonte Souto fica em Portalegre, dentro do Parque Natural da Serra de São Mamede, a apenas 5 km da fronteira com a Espanha.

“Teria de ser algo muito especial para nos fazer dar os primeiros passos fora do Douro”, disse Dominic Symington, um dos dirigentes da empresa, quando veio a São Paulo, em meados de novembro, para apresentar o novo projeto. Ele se encontrou com jornalistas, em jantar organizado pela importadora Mistral, que distribui seus rótulos no Brasil.

Dominique Symington

Dominic, sempre simpático e profundo conhecedor do mercado vinícola de Portugal, contou que ao decidir ampliar a atividade além do Douro, a família avaliou todas as regiões produtoras portuguesas, em busca de uma propriedade marcante. Encontrou o que pretendia em Portalegre, área de clima favorável.

Ali, a Serra de São Mamede protege os vinhedos dos ventos quentes que vêm da Espanha. As uvas são plantadas nas encostas, entre 490 e 550 m de altitude, em condições mais frescas do que as ensolaradas planícies do sul do Alentejo. Portalegre está em moda em Portugal atualmente. Adquiriram terras por lá outras vinícolas de porte, como Esporão, Sogrape e Fundação Eugénio de Almeida (Cartuxa).

 

Condições especiais

A quinta, junto à Serra de São Mamede

A Quinta da Fonte Souto foi comprada pela família Symington em 2016. Possui 207 hectares de terras, dos quais 42 ha. de vinhas com mais de 25 anos. Os solos de xisto e granito limitam os rendimentos por planta e há grande amplitude térmica, a diferença de temperatura entre os dias quentes e as noites frias. O resultado são uvas sadias e vinhos equilibrados e com frescor.

A propriedade tem registro desde o século XVII e se chamava antes Queijeirinha – título de reconhecimento difícil pelo mercado  internacional. Por ela passa um rio chamado Ribeira das Águas do Souto, daí a inspiração para o novo nome dado pela família Symington. A propósito, “souto” é como são chamados na região os bosques de castanheiros, ali abundantes.

A área arborizada inclui ainda um olival, cerejeiras, sobreiros (de onde se extrai a cortiça) e uma grande floresta de pinheiros – que os novos donos pretendem replantar com outras variedades nativas, para aumentar a biodiversidade local. Dominic informa que toda a propriedade está sendo reconvertida para manejo orgânico.

Na quinta há também uma tradicional casa de herdade e uma boa adega, que está sendo melhorada. Nela são elaborados os primeiros vinhos da Quinta de Fonte Souto, sob orientação de Charles Symington, chefe de enologia do grupo, com apoio do enólogo residente José Daniel Soares.

 

No Douro

A família Symington

A família Symington, de origem britânica e portuguesa, está no negócio do vinho em Portugal há mais de um século. Andrew James Symington (‘AJ’), filho de pai escocês, chegou à cidade do Porto em 1882, com 19 anos. Depois de trabalhar na Graham’s, começou a produzir seus próprios vinhos do Porto. Em 1891, casou-se com Beatrice Leitão de Carvalhosa Atkinson, cujo avô era produtor e exportador de vinho do Porto desde 1814.

Com profundo compromisso com o Douro, com Portugal e com as novas gerações, os descendentes de AJ expandiram a empresa. Hoje administrada pela 4ª e 5ª gerações, e já com integrantes da 6ª, a Symington Family Estates é um dos principais produtores de vinho do país e a maior proprietária de vinhas no Alto Douro, onde possui 26 Quintas, com um total de 2.255 hectares, dos quais 1.024 ha. plantados com uvas.

Todas as vinhas são geridas com o conceito de intervenção mínima e 112 hectares seguem o regime de Modo de Produção Biológico, fazendo desta a maior área de vinha orgânica certificada no norte de Portugal.

A família administra quatro das grandes casas históricas de vinho do Porto – Graham’s, Cockburn’s, Dow’s e Warre’s. Produz também vinhos de mesa de qualidade, da DOC Douro, com as marcas Quinta do Vesúvio, Quinta do Ataíde, Altano e Prats & Symington (uma bem sucedida parceria com a família francesa Prats, origem dos tintos Chryseia e Post Scriptum).

 

Os vinhos

Primeiros vinhos em 2017

A esse patrimônio juntou-se a Quinta da Fonte Souto, no Alentejo. Seus primeiros vinhos saíram ao mercado na colheita de 2017. A produção, por enquanto, é de 100 mil garrafas por ano, em diferentes séries – Florão, Quinta da Fonte Souto e, no topo, o tinto Vinha do Souto.

No encontro com Dominic Symington foi possível provar exemplares de toda a gama. Foi uma ocasião especial também para a Mistral, já que a importadora de Ciro Lilla comemora 25 anos de trabalho conjunto com a família Symington. Por isso o jantar terminou com dois magníficos Porto do ano em que começou a parceria, o Graham’s 1994 Vintage e o Graham’s 1994 Single Harvest Tawny. Avaliamos aqui alguns dos rótulos da Quinta da Fonte Souto.

 

Quinta da Fonte Souto Branco 2017

Quinta da Fonte Souto (Symington) – Alentejo – Portugal – Mistral – R$ 280,30 – Nota 92

Branco notável, volumoso e fresco, corte de 75% Arinto e 25% Verdelho. Do total do lote, 60% fermentaram lentamente em câmara fria, em barricas novas de 400 litros de carvalho francês e da Europa Central, e também de madeira de acácia, onde depois estagiaram por 8 meses em contato com as borras finas. Nos aromas aparecem notas amanteigadas, florais e de mel, em base de cítricos, pêssego e frutas tropicais. Na boca é amplo, estruturado, com ótima acidez, um vinho longo, elegante, sedutor. Alia a tradição da família Symington com as condições especiais encontradas em Portalegre, no Alentejo (14%).

 

Florão Tinto 2017

Quinta da Fonte Souto (Symington) – Alentejo – Portugal – Mistral – R$ 162,20 – Nota 90

Tinto jovial, misto de 32% Aragonez, 25% Trincadeira, 22% Cabernet Sauvignon, 19% Alfrocheiro e 2% Alicante Bouschet. Metade do lote amadurece por alguns meses em barricas usadas de carvalho francês de 400 litros. Lembra ao nariz morango, em meio a notas florais, terrosas e de grafite. Em bom corpo, tem acidez agradável, taninos maduros e persistência final. Um conjunto bem apanhado, que se beneficia do frescor da Serra de São Mamede, em Portalegre, no primeiro projeto da família Symington fora do Douro (14%).

 

Quinta da Fonte Souto Tinto 2017

Quinta da Fonte Souto (Symington) – Alentejo – Portugal – Mistral – R$ 280,30 – Nota 92

Vinho suculento, elegante, com estrutura reforçada pela poderosa Alicante Bouschet, que participa com 40% da composição, completada por 25% Trincadeira, 15% Cabernet Sauvignon, 10% Syrah e 10% Alfrocheiro. Metade do lote repousou em barricas usadas de carvalho francês de 400 litros. Rico de aromas, apresenta notas de amora, florais, de azeitona e especiarias. Encorpado, com bastante fruta, é macio, delicioso, com grande frescor final. O tinto alentejano produzido pela família Symington em Portalegre tem força, mas também muita elegância (14%).

 

Vinha do Souto Tinto 2017

Quinta da Fonte Souto (Symington) – Alentejo – Portugal – Mistral – R$ 769,80 – Nota 94

O vinho top da Quinta da Fonte Souto, propriedade da família Symington em Portalegre, expressa todo o potencial das vinhas plantadas na altitude das encostas da Serra de São Mamede. Combina 52% Alicante Bouschet e 48% Syrah, amadurecido (80% do lote) por 11 meses em barricas de carvalho francês novo (80%) e usado de 400 litros e de outros tamanhos. Complexo ao nariz, oferece notas de chocolate amargo, de flores, especiarias e frutas vermelhas, como as berries. Um clássico, tem tudo integrado, madeira e fruta, taninos, álcool e acidez, equilíbrio e frescor final. É um tinto grandioso, marcado principalmente pela elegância (14,5%).

 

 

 


Related Articles

Piccini, da Toscana, em boa fase

A Piccini é uma casa bastante tradicional da Toscana, na Itália. Criada em 1882 com apenas 7 hectares, produzia Chiantis

Chianti e seus vários estilos, em momento de grande renovação

O Chianti, um dos mais conhecidos e tradicionais vinhos italianos, está se renovando ano a ano. “Hoje é diferente do

Vincentin Blend de Malbecs 2015

  O tinto é produzido em Mendoza pela vinícola pertencente à família Vicentin, que comanda um dos maiores conglomerados agroindustriais

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*