Os vinhos do tenor Andrea Bocelli

Os vinhos do tenor Andrea Bocelli

 

andrea-bocelli-3

Andrea Bocelli (ao centro): vinhos para trazer felicidade

Na mesma semana em que o tenor italiano Andrea Bocelli encantou as plateias de São Paulo com sua voz aveludada, seu irmão Alberto apresentou os vinhos que ambos produzem na propriedade da família na Toscana. A prova aconteceu em um evento organizado pela importadora Italiamais, que distribui seus produtos em nosso país. Foram avaliados quatro rótulos, sendo um branco e três tintos, de grande qualidade. A produção de vinhos pelo grupo ganhou força com o sucesso de Andrea em todo o mundo, mas a paixão pelo vinho é anterior, pois a família Bocelli tem tradição agrícola de quase 300 anos. “A ideia é de que no Brasil as pessoas que bebam nosso vinho encontrem sempre motivo de felicidade”, disse Andrea em rápida e simpática passagem pelo evento.

bocelli-irmaos

Os irmãos Andrea e Alberto

A história começou com Bartolomeu Bocelli, que em 1730 estabeleceu a pequena azienda agrícola Poggioncino em Lajatico, vilarejo de apenas 1.400 habitantes, perto de Pisa, 50 km a sudoeste de Florença. Durante muito tempo seus descendentes viveram no campo, cultivando grãos, criando gado, plantando oliveiras, colhendo mel, produzindo azeite e vinho para consumo próprio. Nos anos 1930, Alcide, avô de Andrea e Alberto, expandiu e modernizou a produção de vinho. Seu filho Alessandro seguiu o mesmo caminho, com apoio da mulher, Edi. A mamma ainda está ativa e atenta a tudo.

bocelli-family

A família Bocelli

Quando o pai, Alessandro, morreu, os filhos decidiram continuar seu trabalho e a manter viva a produção de vinhos, de que ele tanto se orgulhava. “Fazemos vinho por paixão e não para enriquecer”, disse Andrea certa vez. Assim como o irmão famoso, Alberto, que é arquiteto, tem outros afazeres. Mas ele e a mulher, Cinzia, administram a azienda, com ajuda do filho mais velho, Alessio, o único que se dedica exclusivamente à empresa. Andrea acompanha os negócios e quando termina suas longas tournées faz questão de sempre voltar para Lajatico, onde mora com a mulher, Veronica, e a filha, a pequena Virginia.

bocelli-azienda

A azienda Poggioncino, em Lajatico

A Bocelli Wines produz 400 mil garrafas por ano, sendo 40 mil em Poggioncino e 360 mil com uvas de outras regiões da Itália. Seus vinhedos próprios estão plantados com as uvas típicas da Toscana, como Sangiovese, Canaiolo, Colorino, Malvasia e Trebbiano. Algumas vinhas são especiais, com mais de 70 anos de idade. Há 10 anos, os irmãos iniciaram o cultivo de Cabernet Sauvignon. O manejo é cuidadoso, sustentável, sem uso de pesticidas ou de outros produtos químicos. Na vinificação são utilizadas apenas leveduras indígenas. Na cantina, a equipe é comandada pelo respeitado enólogo Paolo Caciorgna – que também ajudou o cantor Sting a desenvolver sua badalada vinícola na Toscana.

É interessante notar que a família Bocelli preserva antigas tradições dos viticultores toscanos. Nas vinhas destinadas ao Poggioncino, seu tinto ícone, as castas tintas e brancas são plantadas misturadas, como se fazia antes na zona do Chianti. Para a elaboração do tinto Sangiovese IGT, é usado o sistema de “governo”, outro método peculiar da região: na hora da colheita, 20% das uvas são separadas e colocadas a secar com ajuda de ventiladores. A parcela restante é fermentada normalmente. Ao final, junta-se o lote ligeiramente apassivado, portanto mais concentrado, e faz-se uma segunda fermentação. Com isso o vinho ganha estrutura e complexidade.

bocelli-vinhosO portfolio da Bocelli Wines é diversificado. Oferece um espumante Prosecco, feito, como se sabe, com uvas do Vêneto; um branco de Pinot Grigio; e os tintos Sangiovese IGT, Chianti, Tenor Red IGT, Poggioncino, Terre de Sandro IGT, Alcide IGT e In Canto IGT. Nenhum deles é vendido na Itália. A comercialização das garrafas no exterior é organizada por Antonio Sanguineti. De início, a importadora Italiamais, de Alexandro Paesani, trazia para o Brasil apenas o Sangiovese IGT, mas até o final do ano terá no estoque outros rótulos da vinícola.

 

photo_20161014_170951

Alessio (à esq.) e o pai, Alberto: nomes com a letra A

Uma curiosidade

Para evitar confusão com os vizinhos, Alcide Bocelli, avô de Andrea e Alberto, começou a marcar seus bois e vacas na década de 1930 com as iniciais AB. Quando seu filho nasceu, resolveu dar-lhe o nome de Alessandro Bocelli, para que continuasse a usar no gado a mesma marca AB. E o mesmo fez Alessandro, que chamou seus filhos de Andrea, o mais velho, e Alberto, o caçula, para que mantivessem a tradição da marca AB. Foi nesse ambiente do campo que os garotos cresceram. Ainda hoje, em meio aos outros compromissos e o envolvimento de Andrea com a música, e de Alberto com a arquitetura, criam vacas e cavalos, cultivam trigo e produzem vinho. A propósito, o filho mais velho de Alberto, Alessio, segue a tradição da família de dar aos primogênitos nomes que comecem por A.

 

Vinhos

No evento realizado na semana passada em São Paulo, foram provados cinco vinhos de quatro rótulos diferentes. A Italiamais informa que os estoques são limitados.

 

bocelli-pinot-grigioBocelli Pinot Grigio IGT 2013

Bocelli Family Wines – Vêneto – Itália – Italiamais – R$ 159 – Nota 90

Para este branco delicado e bem feito, as uvas vêm de vinhas velhas, com mais de 30 anos, das Colli Euganei, no Vêneto, de baixo rendimento. Nos aromas há cítricos, notas florais, de erva-doce e algo salino, mineral. Mostra boa estrutura, acidez agradável e frescor. Um vinho seco, boa companhia para peixes, queijos e presuntos (12%).

 

Bocelli Sangiovese IGT 2013bocelli-sangiovese

Bocelli Family Wines – Toscana – Itália – Italiamais – R$ 169 – Nota 90

Os vinhedos ficam na zona do Morelino di Scansano, na Maremma, perto do mar, que influencia o clima local com as brisas frias à noite. A amplitude térmica ajuda a amadurecer bem a Sangiovese, casta de trato difícil, tardia e com propensão a desenvolver acidez elevada. O uso do antigo sistema de “governo”, em que 20% das uvas são levadas a desidratar e fazem uma segunda fermentação, também ajuda a amaciar o vinho. Um terço do lote amadurece por quatro meses em barricas usadas de carvalho francês. No 2013, os aromas lembram cereja, ameixa, champignon, ervas, tabaco e há um toque terroso. No paladar tem corpo médio, frescor, é equilibrado e elegante. Já está no ponto para beber (13%).

 

bocelli-sangiovese-2015Bocelli Sangiovese IGT 2015

Bocelli Family Wines – Toscana – Itália – Italiamais – R$ 169 – Nota 90

A última safra do Sangiovese IGT mostra um vinho com mais vivacidade e frescor, fruto de um ótimo ano para os vinhedos. Ao contrário de 2013, em que o calor excessivo levou as uvas à quase sobrematuração, 2015 foi equilibrado, seco, verão quente, mas com temperaturas amenas à noite. As condições climáticas ideais se traduzem em um tinto de bom corpo, mais estruturado, com grande frescor. Traz ao nariz notas florais, a violeta,  arruda e figo, em base de frutas vermelhas. Taninos firmes, maduros, e final longo. Ainda jovem, deve recompensar quem tiver paciência para deixá-lo repousar alguns anos na adega (13,5%).

 

bocelli-tenor-redBocelli Tenor Red IGT 2014

Bocelli Family Wines – Toscana – Itália – Italiamais – R$ 200 – Nota 90

Um supertoscano, que prefere a classificação básica IGT pois foge da receita clássica. No corte há 33% de Sangiovese e 33% de Merlot, ambas de vinhedos da zona do Morellino di Scansano, e 34% de Cabernet Sauvignon, da região de Bolgheri. Ou seja, vinhedos de áreas litorâneas. No caso, a Merlot é adotada para amaciar a Sangiovese. Uma pequena parte do lote (10%) envelheceu por oito meses em carvalho usado.  Encorpado, estruturado, apresenta muita fruta. Ao nariz, recorda cereja e cacau. Tem taninos maduros e boa acidez. Ainda jovem, tem perfil moderno (13,5%).

 

Bocelli Poggioncino IGT 2015bocelli-poggioncino-2

Bocelli Family Wines – Toscana – Itália – Italiamais – R$ 265 – Nota 91

O mais interessante do painel, elaborado com 60% Sangiovese, 20% Canaiolo, 10% Malvasia Bianca e 10% Colorino, das vinhas velhas da propriedade de Lajatico que lhe dá o nome. Metade do lote amadurece por 18 meses em barricas de carvalho francês de segundo uso. É um tinto mais aberto e com mais acidez, perfeito para acompanhar comida. Nos aromas há notas florais e minerais e algo vegetal, em base de fruta, a framboesa, morango e cereja. Em corpo médio, tem taninos firmes, maduros e final longo. Destaque para o frescor (13%).

 


Related Articles

Casa Ermelinda Freitas Touriga Nacional Reserva 2013

Os vinhos que mereceram as melhores premiações dos jurados do VIII Brazil Wine Challenge, realizado em Bento Gonçalves (RS) em

Symington, maior produtor de Portos de categoria superior, lança mais um vinho de mesa, o Altano Reserva Branco

O grupo familiar Symington está ligado ao Vinho do Porto e ao Vale do rio Douro, nordeste de Portugal, há

Dona Berta, tintos e brancos de vinhas velhas do Douro Superior

Em Freixo do Numão, coração do Douro Superior, na região de Vila Nova do Foz Côa, nordeste de Portugal, existe

1 comment

Write a comment
  1. José Maria Santana
    José Maria Santana Author 19 dezembro, 2016, 17:20

    Oi, Marina, se ainda te ajudar, os vinhos da família Bocelli são comercializados pela importadora Itália Mais, de São Paulo – http://www.italiamais.com.br – R. João Lourenço, 683 – Tel. (11) 3044-1116.

    Reply this comment

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*