Vinhos argentinos La Consulta, novidade no catálogo da Premium

Vinhos argentinos La Consulta, novidade no catálogo da Premium

A importadora Premium, dos mineiros Orlando Pinto Rodrigues Jr. e Rodrigo Assunção Fonseca, acaba de incorporar a seu portfólio os vinhos argentinos La Consulta. A empresa de Mendoza pertence à centenária vinícola Finca La Celia, que por sua vez integra desde 1999 o mega grupo chileno VSPT (Viña San Pedro Tarapacá), o segundo maior exportador de vinhos daquele país. De início, a Premium vai distribuir aqui quatro rótulos da La Consulta, um branco e três tintos.

A importadora já tem em seu catálogo vinhos de cinco vinícolas argentinas. “Mas sentimos necessidade de oferecer produtos de qualidade e preço mais acessível”, diz Orlando, explicando o motivo da escolha da La Consulta. Os tintos e brancos da marca foram trazidos antes pela importadora Interfood, que continua a representar no Brasil os rótulos da Finca La Celia. Mas não é a primeira vez que a Premium trabalha com a VSPT, pois há tempos importa os vinhos Casa Rivas, uma das vinícolas do grupo no Chile.

O conglomerado VSPT controla nove vinícolas, sendo sete no Chile – Viña San Pedro, Tarapacá, Santa Helena, Leyda, Misiones de Rengo, Viñamar de Casablanca e Casa Rivas – e duas na Argentina – La Celia e Tamari. Possui 4.244 hectares plantados com vinhas, dos quais 400 se situam em terras argentinas. Entre as grandes empresas chilenas do setor, fica atrás apenas da Concha y Toro.

 

La Consulta

Os vinhedos da La Consulta se situam 100 km ao sul da cidade de Mendoza, no Vale de Uco, zona de San Carlos. Sua história se liga à do pioneiro Eugenio Bustos, que no final do século XIX comprou 40 mil hectares de terras no então inóspito Vale de Uco, onde se dedicava principalmente à criação de cavalos de raça.

Ao vender um lote de animais a produtores franceses, recebeu como parte do pagamento mudas de Malbec, as primeiras a serem plantadas na região. Surgiu assim, em 1890, a Finca La Celia, que recebeu o nome de uma filha de Bustos. Hoje o Vale de Uco é uma das áreas vinícolas mais promissoras da Argentina, com vinhas de altitude, em que os dias são quentes e as noites, bastante frescas.

Vinhedos entre 900 m e 1.100 m de altitude

No caso de La Consulta, os vinhedos estão plantados em faixas que variam de 900 m a 1.100 m acima do nível do mar. O nome da vinícola é o mesmo do povoado em que se situa, e que faz referência à passagem do general José de San Martín pela região de Mendoza em 1817, na sequência das lutas pela independência da Argentina, proclamada no ano anterior. Ele pretendia atravessar os Andes para combater os soldados da Espanha instalados em terras hoje pertencentes ao Chile e para isso, fez várias consultas aos índios Pehuenches, habitantes do local.

Em lembrança do episódio, os rótulos dos vinhos La Consulta trazem a imagem estilizada de um homem a cavalo, portando um chapéu semelhante ao que consagrou a figura do general San Martín. Quanto aos vinhos em si, o foco da empresa é produzir tintos e brancos básicos, sem complicações, com reduzida presença de madeira.

Aliás, a esse respeito o enólogo Federico Colombo, divulgador dos produtos da casa, informa espontaneamente que a equipe muitas vezes prefere colocar aduelas (tábuas) de carvalho para perfumar o vinho estagiado em tanques de concreto do que usar barricas feitas com a madeira. Segundo ele, não faz sentido investir em barricas de carvalho, que elevariam o preço dos vinhos, se o objetivo é oferecer tintos e brancos para serem consumidos logo, frutados, frescos e fáceis de beber.

Apesar da ressalva, a linha básica da vinícola se chama Roble – que em espanhol quer dizer exatamente “carvalho”! Foi uma sugestão da importadora anterior, que pensava ser isso um apelo para seduzir o consumidor brasileiro.

Por enquanto, a importadora Premium está trazendo quatro rótulos da La Consulta. São três da série Roble – um Chardonnay (sem madeira) e dois tintos – e o Malbec Reserva. Avaliamos aqui os tintos, que representam bem o estilo da casa.

 

La Consulta Malbec Roble 2018

La Consulta – Mendoza – Argentina – Premium – R$ 63,60 – Nota 88

Frutado, fresco, fácil de entender. No campo, o rendimento é alto, de 18 mil kg de uvas por hectare plantado. Na adega, estagia em tanques de concreto, onde parte do lote (20%) fica por três meses em contato com aduelas de carvalho para ganhar o perfume da madeira. Os aromas lembram frutas vermelhas, como cereja, em meio a notas florais, de violeta. Redondo, macio, leve, nada complicado (13%).

 

La Consulta Cabernet Sauvignon Roble 2018

La Consulta – Mendoza – Argentina – Premium – R$ 63,60 – Nota 89

Segue a proposta da casa, de oferecer vinhos frutados, frescos, com discretíssima participação de madeira. Matura em tanques de concreto e 20% do lote ficam em contado com aduelas de carvalho por três meses, incorporando alguns aromas de madeira, como notas de pimenta e especiarias. Também traz ao nariz algo de chocolate e um toque floral, em base de cereja e morango. Tem mais corpo e estrutura que o Malbec da mesma linha Roble, taninos maduros, boa acidez e alguma persistência. Um tinto agradável, bom para comida (13%).

 

La Consulta Malbec Reserva 2017

La Consulta – Mendoza – Argentina – Premium – R$ 86,40 – Nota 90

Um tinto com boa estrutura e presença em boca, correto e fácil de beber. No vinhedo, o rendimento é de 15 mil kg de uvas por hectare. Na adega, como é um Reserva, a madeira tem participação um pouco maior do que na linha básica da vinícola. Ainda assim, discreta, predominando a fruta. Do total do lote, 60% amadurecem em tanques de concreto. Do restante, metade estagia por quatro meses em barricas de carvalho usadas e a outra metade fica em contato com aduelas de carvalho. Entrega nos aromas notas florais e boa carga de fruta, como cereja e ameixa. A acidez proporciona ataque firme, agradável, fazendo par com os taninos maduros. Mostra persistência e frescor final (13,5%).

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Tags assigned to this article:
ArgentinaLa ConsultaMendozaPremium

Related Articles

Ombú, vinhos que refletem o terroir de Atlántida, no Uruguai

Fabiana Bracco sempre foi um pouco a cara dos vinhos do Uruguai no Brasil, pela presença frequente para divulgar os

Setor vinícola do Chile se mobiliza contra incêndios  

  As entidades que representam o setor vitivinícola do Chile se reuniram para fazer um balanço dos prejuízos causados pelos

Os 20 anos da importadora Decanter

No mundo do vinho, sempre se diz que há importadoras e importadoras. A diferença está na variedade e qualidade dos

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*