Linha Catena Saint Felicien agora vendida no Brasil

Linha Catena Saint Felicien agora vendida no Brasil

Chega ao Brasil a linha de vinhos Saint Felicien, tintos e brancos produzidos em Mendoza, na Argentina, pela prestigiada vinícola Catena Zapata. A série não é nova, pois existe desde a década de 1960. Mas é a primeira vez que seus rótulos chegam regularmente ao nosso mercado, trazidos pela Mistral, de Ciro Lilla, a mesma importadora que distribui aqui com exclusividade os outros vinhos da casa.

Na Argentina, a Catena oferece 17 rótulos com a marca Saint Felicien. Por enquanto, sete deles estão aqui, quase todos varietais (Malbec, Cabernet Franc, Chardonnay e Sauvignon Blanc), além de um rosé, um espumante brut nature e um branco doce a partir de Sémillon.

Para quem tem alguma familiaridade com os vinhos produzidos pela bodega do grande Nicolás Catena, a linha Saint Felicien se situa na base da pirâmide, em patamar semelhante ao que ocupam os rótulos identificados apenas como Catena.

Dizendo assim parece tratar-se de tintos e brancos simples. Engano. Como os demais produtos da casa, são vinhos elaborados com bastante cuidado e já partem de um nível elevado. Provamos aqui o Catena Saint Felicien Cabernet Franc, que dá uma ideia do potencial da série.

 

Catena Saint Felicien Cabernet Franc 2017

Bodega Catena Zapata – Mendoza – Argentina – Mistral – R$ 186,10 – Nota 90

A Cabernet Franc representa somente 1,09% da área ocupada por vinhas na Argentina (contra, por exemplo, 38,6% da Malbec), mas oferece gratas surpresas. O enólogo Alejandro Vigil, diretor técnico da Catena, trabalha a casta como ninguém, o que se nota neste tinto. Cabernet Franc 100%, é da safra de 2017, uma das melhores dos últimos anos. Embora com baixos rendimentos, por causa de geladas tardias na fase de brotação, foi bastante equilibrada e é considerada uma bênção pela equipe da vinícola, depois do desastre da colheita de 2016, a mais fria e escassa em três décadas. Aqui as uvas vêm dos vinhedos La Piramide, a 950 m de altitude, em Agrelo, Luján de Cuyo (onde fica a sede da bodega) e Angélica Sur, a 1.050 m, em Eugenio Bustos, distrito de San Carlos, no vale de Uco. Terminada a fermentação, o vinho permaneceu por 16 meses em barricas de carvalho francesas (90%) e americanas. Nos aromas há cereja e ameixa, em meio a tabaco e pimenta, com algo floral e de eucalipto. A madeira suaviza as notas vegetais que muitas vezes aparecem nos Cabernet Franc. Encorpado, seco, tem taninos firmes, maduros e bom frescor. Ainda se mostra jovem, com estrutura para melhorar com mais alguns anos de adega. Uma curiosidade: o rótulo, de traços corridos, reproduz uma pintura do artista local Carlos Alonso, a mesma que aparecia na garrafa do tinto que inaugurou esta linha da Catena, o Saint Felicien Cabernet Sauvignon 1963. Aliás, foi o primeiro vinho argentino a mencionar o nome da uva que lhe deu origem. Só para lembrar, naquela época os vinhos do país normalmente eram classificados pela cor – tinto, branco ou rosado. E muitas vezes, não traziam nem a indicação da safra. Felizmente, tudo isso mudou (13,5%).



Related Articles

Brancos e tintos argentinos da Kaiken agora na Qualimpor

Os bons vinhos da vinícola argentina Kaiken, braço do grupo chileno Viña Montes, antes comercializados aqui pela Vinci, são distribuídos

Na safra, Serra Gaúcha oferece bons passeios

  Nos meses de colheita da uva, período que começa agora e vai até o final de março, a Serra

Norton Malbec Reserva 2013

Fundada há 121 anos aos pés da Cordilheira dos Andes, a vinícola argentina Norton tem muita tradição. Ganhou vida nova

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*