Garimpagem na Decanter

Garimpagem na Decanter

Como faz de tempos em tempos, a importadora Decanter, do dinâmico Adolar Hermann, realizou em maio mais um encontro em São Paulo para apresentar novidades de seu portfolio ou safras novas de vinhos que já distribui. E havia realmente muita coisa a descobrir, pois a Decanter é uma das mais competentes importadoras em atividade no país, com uma equipe de primeira. Entre as muitas joias do catálogo, garimpamos algumas que representam bem o estilo de tintos e
brancos buscado pela empresa.

 

Château deDettori Renosu Bianco Romangias Gillières Muscadet Sèvre-et-Maine Sur Lie Grande Réserve 2014

Château des Gillières – Vale do Loire – França – Decanter – R$ 101 – Nota 90

Branco delicado, vibrante, mineral, a partir de uvas Melon de Bourgogne de vinhas com mais de 25 anos. Como o rótulo indica, amadurece em contato com as borras finas (lias), para ganhar complexidade e sabores. Traz cítricos, em maio a notas de pêssego, florais. É seco, gordo, equilibrado, algo salgado, pela mineralidade. A acidez reforça o frescor. É um vinho perfeito para acompanhar ostras, peixe grelhado e frutos do mar (12%).

 

Dettori Rinosu Bianco Romangia IGTDettori Renosu Bianco Romangia

Dettori – Sardenha – Itália – Decanter – R$ 149,10 – Nota 90

Integra o seleto grupo dos chamados vinhos laranja, brancos de grande expressão que
recebem o nome pela cor alaranjada proporcionada pelo método ancestral de vinificação. Tal como nos tintos, nestes brancos o mosto permanece em contato com as cascas das uvas brancas. Resultam normalmente vinhos com mais estrutura e complexidade, como este da casa Dettori, corte de Moscato Bian
co, Muscat Blanc à Petit Grain, Moscato di Canelli, Sárga e Vermentino, de vinhas velhas, com mais de 40 anos. Não é filtrado nem passa por madeira. Mescla várias safras, e por isso o ano não é mencionado no rótulo. Ao nariz lembra doce de casca de laranja, marmelada e mel, em fundo de damasco. Seco, tem boa fruta e acidez, com elegante final (13,5).

 

ChâteauChateau Chevaliers Lagrézette Chevaliers Lagrézette Malbec 2012

Château Lagrézette/A.D. Perrin – Cahors – França – Decanter – R$ 185 – Nota 91

Um tinto robusto, que expressa a Malbec em sua terra de origem, Cahors, no sudoeste francês. Além da uva mencionada no rótulo (87%), leva um tempero de Merlot (13%) para amaciar o lote. Nos aromas há notas de figo, ameixa, tabaco e alcaçuz. Taninos maduros, equilibrado, boa fruta, um vinho que se bebe com prazer (14,5%).

 

 

 

Craggy Range Te Muna Road Pinot Noir 2012Graggy Rang Te Muna Road PN

Craggy Range – Martinborough – Nova Zelândia – Decanter – R$ 292 – Nota 93

A vinícola foi fundada em 1997 pelo empresário australiano Terry Peabody. Seu Pinot Noir, muito bem acabado, tem aromas a pitanga, cereja, especiarias como canela, e toques florais. Em corpo médio, mostra boa carga de fruta, estrutura, taninos macios e grande elegância. Um tinto com perfil Novo Mundo, mas com fineza e sem excessos (12,8%).

 

FonseFonseca-10-Year-Old-Portca Porto Tawny 10 Year Old

Fonseca – Douro – Portugal – Decanter – R$ 351,80 – Nota 92

Os Tawnies com indicação de idade são vinhos complexos, equilibrados e elegantes. Foram lapidados pelo estágio em tonéis de madeira usada, integrando muito bem álcool e fruta. O 10 Anos da Fonseca lembra nos aromas frutas secas, caramelo e especiarias. Na boca é untuoso, denso, doce, mas nada enjoativo, pela acidez presente.   Um grande vinho de sobremesa ou para ser bebido sozinho (20%). A casa é tradicional e pertence hoje ao grupo Taylor’s.

 


Tags assigned to this article:
Decanter

Related Articles

Quinta do Vallado oferece um Porto de 1888

No universo vinícola, há coisas grandiosas que acontecem somente com o Vinho do Porto. Esta semana em São Paulo, João

O delicado e versátil Tempranillo Rosé 2018 da gaúcha Vallontano

A pequena vinícola Vallontano, do Vale dos Vinhedos, na Serra Gaúcha, está lançando seu versátil Tempranillo Rosé 2018, distribuído pela

Figaro Rosé 2014, legítimo Mas de Daumas Gassac

  A vinícola Mas de Daumas Gassac, criada por Veronique e Aimé Guibert no início dos anos 1970, logo se

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*